Open Learning School Website Logo

Crianças que comem com o telemóvel: consequências e como solucionar o problema

10 de Outubro de 2023

Criança a comer cereais e a olhar para o telemóvel

Basta ir a um restaurante num sábado para perceber o quão comum se tornou a prática de dar o telemóvel às crianças. É compreensível. Os pais precisam de um tempo em paz para conversar entre si ou com amigos e as crianças não conseguem estar sentadas e quietas durante muito tempo.

O que acontece? A curto prazo, resulta –  as crianças acalmam-se imediatamente. A longo prazo, poderá haver consequências para os jovens.

Consequências de as crianças comerem com o telemóvel à frente

1 Estamos a torná-las emocionalmente inaptas

Ao entregarmos o telemóvel ou tablet sempre que os nossos filhos fazem uma birra, se sentem tristes ou estão aborrecidos, pode parecer, inicialmente, que lhes estamos a fazer um favor ao conseguirmos que se acalmem.

Mas, na verdade, estamos a criar jovens e adultos incapazes de lidar com as suas emoções, pois começam a ganhar o hábito de controlar o que estão a sentir com um elemento externo – neste caso, os dispositivos eletrónicos.

Insistir nesta prática é perder uma oportunidade para ajudar a criança a ganhar um entendimento dos seus sentimentos e adquirir ferramentas internas para lidar com os mesmos.

2 Aumentamos a probabilidade de sofrerem de obesidade

Quando comemos em frente à televisão ou ao telemóvel, estamos menos conscientes da sensação de saciedade, o que pode levar a que comamos de forma automática, mesmo que não tenhamos fome.

Também pode acontecer o contrário: acabar por não comer o suficiente porque estamos distraídos. 

Em qualquer dos casos, é aconselhável não usar dispositivos tecnológicos durante as refeições para que as crianças estejam mais cientes das sensações de saciedade e fome.

3 Impedimos a comunicação em família

Esta consequência não é exclusiva às interações com as crianças. Muitos adultos veem as suas relações a deteriorar, pois os momentos que poderiam ser utilizados para socializar são, cada vez mais, afetados pelo uso das tecnologias.

Frequentemente, o momento de comer é a única altura do dia que a família tem para estar toda reunida e passar tempo de qualidade. Ao permitirmos que os nossos filhos ganhem o hábito de direcionar toda a sua atenção para os dispositivos tecnológicos durante as refeições, estamos a desperdiçar uma oportunidade de comunicar com eles e estabelecer uma relação afetiva e emocional.

 

Família de quatro pessoas a usar telemóvel

Conselhos para que os nossos filhos comam sem o telemóvel

1 Procure compreender o seu filho

Quando pais e mães vão jantar fora a um restaurante, o que esperam é que o seu filho fique sentado e quieto durante cerca de duas horas. Tal é impossível. Uma criança pequena precisa de se movimentar e explorar tudo aquilo que a rodeia. 

O que devemos fazer nesta situação? Encurtar o tempo de refeição e, depois da mesma, procurar um espaço para que a criança possa correr, brincar e explorar livremente. Se temos a noção de que o nosso filho é incapaz de ficar calmo na sua cadeira ao fim de 40, 60 minutos, é preciso planear de antemão a refeição de acordo com esta duração.

Crianças a correr num parque

2 Definir normas claras

De nada serve estabelecer limites para o uso de telemóveis num dia e, no seguinte, voltar a dar-lhes estes dispositivos a meio da refeição simplesmente porque estamos com pressa, cansados ou sem paciência para lidar com birras. É preciso que estas regras estejam claramente definidas e que sejam cumpridas consistentemente. Caso contrário, a criança não saberá em que dias pode ou não comer com o telemóvel e irá pedi-lo todos os dias.

3 Dê o exemplo

Como já mencionámos anteriormente, a dependência dos dispositivos digitais à mesa não é algo que acontece apenas com as crianças – provavelmente, um ou mais elementos da família têm este hábito. Antes de exigir que a criança altere um hábito, é importante que os pais sejam os primeiros a modificar o seu comportamento.

Posts Relacionados

Como levar a Pedagogia Open Learning para as suas férias?

A época das férias de verão acaba de começar e é normal que queira prolongar o contacto dos seus filhos com a nossa pedagogia, mesmo durante este período. Caso as suas crianças não frequentem uma das nossas unidades, esta poderá ser a altura do ano ideal para experimentar uma abordagem

Ser empreendedor na área da educação

Empreendedorismo e educação podem, aparentemente, ser bastante distintos e podemos até não ver, à primeira vista, que estes se podem tocar. Um plano de negócio raramente se confunde com um currículo, por exemplo. Diferente linguagem, diferente aplicabilidade até. “Se puderes olhar, vê. Se puderes ver, repara”, José Saramago. Ou seja,